top of page

Snacks de frutas: um mercado com muitas oportunidades.

A indústria de snacks é extremamente diversa no Brasil e no mundo, e pode ser dividida em oito categorias, são elas: snacks de frutas; biscoitos doces; biscoitos salgados; nozes, castanhas e mixes; barrinhas de cereais, frutas e castanhas; pipoca; chips e salgadinhos e pretzels. Para uma categoria em especial espera-se que as vendas aumentem notavelmente nos próximos anos, a dos snacks de frutas.


Snacks de frutas têm em sua composição uma ou mais frutas e passam por processos industriais como cozimento, gelificação, desidratação e/ou liofilização. Os mais familiares aos consumidores são os produzidos pela combinação de sucos e purês de frutas com outros ingredientes, como pectina, amido, gelatina, açúcar e/ou xaropes. Normalmente, eles contêm entre 15-20% de umidade para dar ao produto uma textura mastigável desejável.


O mercado global de snacks de frutas está avaliado em US $9,93 bilhões até 2027 e deverá crescer a uma taxa anual composta (CAGR) de 9,2% de 2020 a 2027. Isso, devido, principalmente à crescente preferência por produtos alimentícios de conveniência (práticos), que se adequam ao estilo de vida agitado dos consumidores, e a procura por produtos que forneçam benefícios nutricionais sem comprometer a textura e o sabor.


Mas, as oportunidades não param por aí. Os snacks de frutas são produtos versáteis que podem ser atrelados a várias tendências da alimentação - como saudabilidade e bem-estar, desperdício zero, locavorismo - associações que podem potencializar as vendas.


A demanda crescente por ingredientes que contribuam para um melhor funcionamento do organismo e para a saúde aumenta a procura por produtos com compostos bioativos, funcionais e/ou probióticos. E nesse cenário, as frutas ganham espaço, por serem ricas em fibras, vitaminas e minerais. Além disso, a liofilização, um dos processos que podem ser empregados na elaboração desses snacks, contribui para a preservação das propriedades nutricionais mesmo após o processamento.


O movimento desperdício zero (Zero Waste, em inglês) é uma iniciativa em prol de uma sociedade com menos desperdício, e tem como principal temática o lixo e a redução de resíduos. Aplicado à área de alimentos, a tendência refere-se a redução dos alimentos perdidos ou desperdiçados, os quais, segundo o relatório “Perdas alimentares globais e desperdício alimentar” publicado em 2019 pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), chegam a ser 1,3 bilhão de toneladas de alimentos por ano. Nesse contexto, os snacks de frutas se destacam, principalmente as fitas/ rolinhos de frutas (fruit rolls), pois são uma alternativa para o reaproveitamento de frutas bem maduras ou que possuem algum defeito na aparência.


O conceito de locavorismo refere-se à preferência por comprar e consumir alimentos produzidos localmente. E graças ao clima e ao solo do Brasil, temos acesso a uma variedade enorme de frutas produzidas em nosso território. Maçã, manga, banana, abacaxi e morango costumam ser as frutas mais utilizadas para a produção dos snacks, visto que seu sabor doce é acentuado. No entanto, podemos inovar, através da elaboração de novas formulações com frutas nacionais, como camu-camu, açaí, cambuci, cupuaçu, a fim de se obter produtos com sabores 100% brasileiros.


Ficou interessado em explorar esse mercado repleto de oportunidades? Conte com a Inov3 para colocar a sua criatividade em prática!


31 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page